Blog

Tipos de fertilizantes orgânicos e suas funções

blog 3 (1)

A partir da revolução agrícola, em que diversas comunidades deixaram de ser caçadores nômades e tornaram-se agrícolas fixos graças à agricultura e criação de animais, o ser humano observa plantas. O homem passa a acumular conhecimento sobre o plantio, desenvolvimento e a manutenção de plantações. O arqueólogo James Henry Breasted denomina o local onde se iniciou o processo de sedentarismo humano junto à agricultura como Crescente Fértil, também conhecido como o berço da civilização. O Crescente Fértil recebeu tal denominação por sua localização entre os rios Jordão, Nilo, Tigres e Eufrates. O solo rico em minerais ideais para a agricultura, propiciou o assentamento agrário. A partir deste momento, o ser humano passa a formar o que chamamos de civilizações com comércio, moradia fixa e plantações.

Há registros de que os egípcios já colocavam em prática o que futuramente viria ser denominado adubação orgânica. Utilizavam cinzas de ervas daninhas, argilas e restos vegetais sobre suas plantações.

Por volta de 1840, o químico alemão Liebig concluiu que as culturas tendem a desenvolver-se de acordo com o solo em que são plantadas. Pensando nisso, estuda sobre a suplementação das deficiências dos solos das plantações. Mais tarde, o químico alemão Johann Glauber, que também estudava sobre o assunto, experimenta o desenvolvimento dos primeiros fertilizantes orgânicos, assim denominados.

O fertilizante orgânico é utilizado na agricultura com o objetivo de suprir as necessidades de nutrientes do solo, tornando a terra fértil para o plantio, resultando em ganhos de produtividade e qualidade das culturas. Um diferencial da fertilização orgânica é a não utilização de componentes químicos que agridem o meio ambiente e geram dejetos tóxicos.  Assim, é possível fortalecer o solo sem prejudicar a saúde das pessoas, da flora e da fauna. Este tipo de fertilizante traz diversos benefícios para o plantio, dando maior qualidade ao solo, gerando boas colheitas desde uma pequena horta até uma grande plantação.

A prática de fertilização orgânica pode ser feita a partir de diversas fontes, sejam elas vegetais ou animais. Quando vindo de fontes vegetais, o fertilizante pode ser composto de resíduos pós-colheita, folhas, caules, bagas, vagens e frutos. Outra técnica de fertilização orgânica é a adubação verde, que consiste no plantio e corte de leguminosas adicionando ao solo no intuito de enriquecê-lo com nitrogênio. Os fertilizantes de origem animal são produzidos a partir  de esterco  e dejetos. Lodo de esgoto, compostos de lixo urbano e resíduos da agroindústria, mesmo que possam ser mistos (vegetais e animais), também se enquadram na categoria de fertilizantes orgânicos.

Tipos de fertilizantes orgânicos:

Os fertilizantes orgânicos são divididos em grupos devido às diferentes maneiras, materiais e processos com os quais podem ser produzidos. São  classificados como simples, mistos, compostos, organominerais, lodo de esgoto e húmus de minhoca.

O fertilizante simples consiste em resto de folhas ou esterco separados. O tipo misto de fertilizante orgânico baseia-se em resto de folhas e esterco, juntos. O fertilizante orgânico composto é obtido por meio de matéria prima de origem vegetal, animal, industrial, juntas ou separadas, utilizando o produto para processos químicos, físicos, físico-químicos ou bioquímicos.

O fertilizante também pode ser organomineral, que é a  mistura do fertilizante orgânico ao mineral (químico). Entre as fontes para fertilizantes orgânicos também estão o lodo de esgoto, que é formado a partir do tratamento de esgoto, e o húmus de minhoca, que é o resultado da digestão de minhocas de restos vegetais, estercos e outros resíduos orgânicos.

Entenda como funciona o fertilizante orgânico:

O processo da prática da fertilização orgânica no solo é puramente químico. Partido  do pressuposto de que a terra é um composto de íons com cargas positivas e negativas, o composto do fertilizante orgânico age no solo como um quelante, ou seja, uma substância que possui a capacidade de fixar íons. Desta maneira, a terra absorve os nutrientes para que sejam aproveitados de maneira linear pela planta. A terra, que também é composta por cargas positivas e negativas, se une ao composto retendo nutrientes e fazendo com que não haja nenhuma perda.

A fertilização orgânica proporciona diversos benefícios para o solo, além de ser uma fonte rica em nutrientes para as plantas. A prática faz com que a liberação dos compostos seja gradual e contínua, aumentando a matéria orgânica presente no solo, as atividades biológicas e a agregação da terra. Além disso, faz com que melhore a  estrutura física do solo, a infiltração e a drenagem. Com estes fatores, há um aumento de produção devido ao maior tempo de uso, menor degradação de solo, menor poluição de fontes de água, maior resistência a pragas e redução significativa da lixiviação de nutrientes. Um fator de extrema importância para as plantações é o armazenamento de água do solo, sobretudo em períodos de maior seca. A qualidade do solo é fundamental para que haja bons resultados nas colheitas.

Como fazer a adubação orgânica:

A adubação orgânica, acompanhada da análise de solo, deve ser feita, pelo menos, uma vez ao ano. O primeiro passo para a adubação orgânica é a análise de solo, somente com ela pode-se ter noção do teor de matéria orgânica apresentada na terra e em que estado o solo se encontra. Não somente pela falta, mas o excesso de nutrientes também pode ser danoso ao solo. Após a análise de solo, pode-se prever diversas características que podem guiar práticas mais adequadas. Para isso, é de extrema importância consultar periodicamente um engenheiro agrônomo de confiança para fazer a checagem.

Todos os tipos de cultura podem receber a fertilização orgânica, pois a mesma possui diversos benefícios, principalmente por não causar mal ao planeta, às pessoas e aos solos. Além disso, a utilização de fertilizante orgânico faz com as plantas fiquem mais saudáveis e melhor se desenvolvam, fazendo com que haja menos necessidade de uso de defensivos agrícolas.

A fertilização orgânica pode ser utilizada desde pequenas hortas caseiras até grandes plantios como soja, feijão, trigo, milharais, fumo, parreirais, cafezais, plantas ornamentais, bananais, erva mate, frutas de caroço, pastagens, olerícolas e até mesmo árvores como eucalipto.

Compartilhar
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Veja Também