Blog

Conheça o potencial da cultura do algodão no agronegócio brasileiro

algodão
Nos últimos 20 anos, a produção de algodão vem crescendo no Brasil, graças aos investimentos em tecnologia e a busca por qualificação que os cotonicultores brasileiros vêm fazendo, para potencializar a cultura do algodão no nosso agronegócio. E o investimento tem dado certo. Tanto que entre 2016 e 2020, os produtores brasileiros dobraram a área de cultivo para a cultura do algodão e o Brasil se tornou um dos principais exportadores mundiais do produto.  Cada vez mais produtores se interessam pelo campo promissor do algodão. Já pensou em aproveitar você também um mercado externo com tanta demanda e potencial de crescimento? Então continue a leitura e saiba mais sobre a cultura do algodão.
  • O crescimento da cultura do algodão no agronegócio brasileiro
  • Vale a pena cultivar algodão no Brasil?
  • Os desafios para entrar na cultura do algodão
  • Conheça a principal doença do algodão e proteja sua produção
  • Dicas de cultivo: como ter mais produtividade na cultura do algodão

O crescimento da cultura do algodão no agronegócio brasileiro

Com um mercado externo cada vez mais receptivo ao algodão brasileiro, a produção vem aumentando nos últimos anos. Segundo dados da Abrapa, a área plantada cresceu constantemente entre as safras de 2016/17 e 2019/20, saindo de 939 mil hectares para 1.665 mil hectares de área em apenas três anos. Nesse mesmo período, a produção da pluma de algodão dobrou. Na safra de 2016/2017, o Brasil registrou 1.529 milhões de toneladas do produto, mas em 2019/20 chegamos ao recorde de 3.001 toneladas. Tanto que hoje o Brasil é o 4º maior produtor do mundo. Apesar de uma redução na produção e área plantada na safra de 2020/21 (1.510 mil hectares e 2.678 milhões de toneladas), podemos perceber um crescimento confiável desde 2006. Tudo isso graças aos investimentos da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), que vem trabalhando para melhorar nossa produtividade e abrir mais mercados no exterior. Nesse cenário, a safra de 2021/22 tende a retomar a alta na produção. De acordo com o levantamento da Conab, a área plantada deve alcançar 1.536 mil hectares, com uma produção de 2.711 milhões de toneladas de algodão.

Vale a pena cultivar algodão no Brasil?

Em entrevista para o Canal do Boi, o presidente da Abrapa, Júlio Cézar Busato, explicou que a redução no plantio de algodão na safra 2020/21 aconteceu porque os preços internacionais estavam baixos. Por isso, os produtores optaram por investir mais no milho. Contudo, o consumo mundial de algodão subiu muito rápido. “Antes da pandemia, o mundo consumia 25 milhões de toneladas de algodão, e hoje está consumindo 27 milhões”, afirma Busato. É por isso que os produtores estão voltando a aumentar a área de plantio, com expectativa de um crescimento ainda maior no futuro. Afinal, o mercado está se aquecendo. Segundo o presidente da Abrapa, o algodão brasileiro tem dois mercados principais, começando pelo mercado interno, que consome 700 mil toneladas da pluma de algodão para a indústria têxtil. Depois, todo o excedente é exportado. Busato relata que na safra batemos um recorde, exportando 2,4 toneladas do produto, o que nos colocou como o 2º maior exportador de algodão do mundo. 99% dessa exportação foi para a Ásia. Por isso mesmo, a Abrapa já tem escritórios no continente para melhorar ainda mais esse mercado. “Estamos indo lá na Ásia e dizendo assim: hoje o algodão brasileiro tem quantidade, tem qualidade, tem rastreabilidade e tem sustentabilidade através do programa algodão brasileiro responsável”, conta Busato. Mas se você ainda não está convencido de que o algodão é um bom negócio, ele ainda apresentou outros dados muito interessantes:
  • Apesar do aumento na demanda, a previsão é que a produção mundial diminua em 3%. Isso significa que os preços devem aumentar e os produtores que produzirem algodão sairão ganhando.
  • Hoje, 60% do algodão produzido no Brasil é na 2ª safra, então é uma ótima opção para os produtores fazerem rotatividade de culturas. 
  • O algodão é uma fibra sustentável e biodegradável, o que o faz ser muito interessante em um mundo cada vez mais preocupado com um consumo sustentável.
  • A cultura do algodão tem mostrado um faturamento bruto três vezes maior do que a soja e emprega cinco vezes mais pessoas. Isso é bom tanto para os produtores quanto para o Brasil.
“Isso nos dá um horizonte bem tranquilo, e a cultura do algodão vai crescer muito no Brasil”, afirma Busato, mostrando como o algodão pode ser uma grande aposta para o futuro.

Os desafios para entrar na cultura do algodão

Como qualquer produto do agronegócio, o algodão enfrenta alguns desafios de produção. Afinal, toda cultura precisa de investimentos em maquinário, insumos e tecnologia, além de um bom conhecimento técnico para obter os melhores resultados. No entanto, o algodão tem uma dificuldade maior: o investimento em maquinário tende a ser bastante grande. Tanto que, para Busato, da Abrapa, quem entra nessa cultura geralmente precisa continuar por um bom tempo, porque o prejuízo de sair seria muito grande. No entanto, as vantagens também são grandes e, com a abertura de cada vez mais mercados na Ásia, a expectativa é que o investimento na cultura de algodão realmente valha muito a pena. Outro desafio que deve ser levado em conta é a elevação dos custos nos insumos, principalmente levando em conta os fertilizantes. Por isso, é preciso saber escolher o fertilizante mais indicado para o seu plantio, para que o investimento realmente valha a pena. Leia mais: Importância do controle de custos para alcançar melhores resultados na safra.

Conheça a principal doença do algodão e proteja sua produção

Atualmente, o maior perigo para a produção algodoeira é a ramulária (Ramularia areola), que compromete o bem-estar da planta e a qualidade das fibras do algodão. Sem o devido cuidado, ela pode causar uma perda de até 75% da safra em cultivares mais suscetíveis Para evitar esse risco, é interessante combinar algumas estratégias, avaliando quais são melhores para a sua lavoura. Uma opção interessante, para começar, é buscar cultivares mais resistentes. Outra técnica é reduzir a quantidade de plantas por hectare e aumentar o espaçamento entre as linhas de plantio. No entanto, isso pode acabar prejudicando a produtividade. Portanto, tome essa decisão apenas com uma boa avaliação técnica. Por fim, há também o controle químico. A ramulária é um fungo, por isso, busque um fungicida de qualidade, e que seja registrado para a cultura do algodão. A ramulária é comum em todas as regiões produtivas, por isso é importante ter um cuidado preventivo, além de manter a atenção para perceber os sinais da doença. Um dos primeiros sintomas que você pode notar são lesões angulosas que aparecem nas nervuras da planta. Essas lesões também podem evoluir para manchas esbranquiçadas e de aspecto pulverulento. Elas começam a aparecer na parte inferior das plantas, mas se o ambiente tiver alta umidade, elas logo se espalham. Se não for tratada, a doença evolui e as lesões podem causar queda intensa de folhas e até abertura dos capulhos antes do tempo. Além da ramulária, há outras doenças em que você também deve prestar atenção na sua cultura de algodão. Algumas das principais são:
  • Mancha-alvo (Corynespora cassiicola)
  • Ramulose (Colletotrichum gossypii var. cephalosporioides)
  • Mancha-de-alternaria (Alternaria spp.)

Dicas de cultivo: como ter mais produtividade na cultura do algodão

Para ter bons resultados, é essencial entender como funciona o ciclo da cultura do algodão. Dependendo de qual o cultivar usado na sua safra, esse ciclo pode ter algo entre 130 e 220 dias, divididos em diferentes fases. O processo começa na fase vegetativa, com o brotar da semente e o desenvolvimento das folhas verdadeiras. Depois disso, temos a fase reprodutiva, quando surge o primeiro botão floral, que floresce e se torna o fruto do algodoeiro (chamado de “maçã” nesse primeiro momento). A “maçã” ainda é o fruto não maduro, mas conforme a fase reprodutiva avança, ele passa pelo processo de maturação e se torna o “capulho”, que pode ser colhido. Agora que você já conhece esse desenvolvimento, vamos a algumas dicas de cultivo:
  • Faça uma análise de solo
Para escolher a semente certa, além dos insumos adequados, você precisa conhecer o chão onde vai plantar. Por isso, o primeiro passo para a alta produtividade é a análise de solo. Ela deve ser feita periodicamente.
  • Planeje sua lavoura
Com conhecimento sobre o solo e sobre a cultura de algodão que você pretende cultivar, é hora de planejar todos os passos e insumos necessários. Assim, você pode até fazer orçamentos e comprar os produtos com o menor preço. Depois, organize bem seu gerenciamento de estoque. Nesse momento, é importante prever todas as atividades, como o preparo do solo, o plantio, a adubação e a colheita.
  • Adquira a semente certa para a sua lavoura
Avalie muito bem a porcentagem de germinação e a qualidade das sementes que você vai adquirir. Isso vai fazer toda a diferença no resultado da safra.
  • Escolha o melhor fertilizante
O fertilizante é um dos insumos mais importantes em qualquer lavoura, e tem destaque na cultura do algodão. Afinal, como o investimento é alto, é preciso garantir uma excelente produtividade. O fertilizante Adubasul, é o caminho certo para isso.
Compartilhar
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Veja Também