Blog

Como obter maior rendimento com manejo do campo nativo

WhatsApp Image 2021-09-28 at 15.53.35

Presente de norte a sul do Brasil, os campos nativos – também conhecidos como potreiros – têm um papel extremamente importante na produtividade e no rendimento da pecuária

Dessa forma, conhecê-los e saber como obter melhores resultados torna-se essencial para o produtor. Seu cultivo com base em análise e pesquisas pode ser otimizado com o melhoramento do solo. 

Conheça as principais características do campo nativo e boas práticas para aumentar seu rendimento!

Conheça mais sobre o campo nativo

Esse bioma é caracterizado por vegetação rasteira, principalmente por gramíneas, leguminosas e pastagem introduzida de forma natural. Estão presentes em solos com baixa fertilidade e alta acidez natural

Apresenta uma alta diversidade de espécies vegetais, sendo perpetuadas através da disseminação de sementes e rizomas. São encontrados tanto em áreas de relevos dobrados como em planícies.

Na maioria das vezes, os pecuaristas investem pouco nessas áreas, o que impacta na baixa disponibilidade de alimentação para o gado, principalmente nos períodos mais secos e de inverno, contabilizando perdas consideráveis no ganho de peso.

Sabendo dessas características e de sua importância para o rendimento da produção, torna-se imprescindível pensar em boas práticas que otimizem o manejo do campo nativo

Boas práticas para aumentar o rendimento do campo nativo

Um dos pontos de maior atenção no campo nativo é sua alta acidez. Assim, corrigir esse problema é primordial para tornar a área produtiva. 

Ao fazer essa regularização, eleva-se o pH e melhora-se a capacidade de rebrote através de uma adubação adequada principalmente com adição de matéria orgânica no sistema. 

Dessa forma, o solo vai melhorar suas condições físicas, diminuindo a compactação e a erosão e aumentando sua capacidade de retenção de nutrientes e de água

Isso acontece devido ao aumento significativo das raízes das pastagens, o que proporciona a criação de uma estrutura mais duradoura para esse campo, levando a um aumento significativo na produção de matéria seca/ha/ano.

Para que esses benefícios sejam efetivamente alcançados, é necessário realizar a técnica de deixar a área em descanso, sem o pastejo de animais por um período determinado de tempo, chamada de “diferimento”. Essa prática também ajuda o desenvolvimento das espécies mais favoráveis à atividade, eliminando as indesejáveis. 

Conforme falamos anteriormente, em períodos de frio e seca, ocorre uma diminuição de matéria seca e uma alternativa para o produtor é trabalhar com azevém, aveia preta, cornichão, trevo, entre outras, que são pastos com melhor adaptabilidade a essas condições climáticas

A opção por essa técnica poderá ser uma solução para a manutenção de produção de forragem, não prejudicando o rebrote do pasto nativo no verão e diminuindo a entrada de ervas daninhas e até pastos indesejáveis – como o capim annoni – que apresenta um difícil controle depois de introduzido na área.

Outra prática que pode ser adotada é a chamada subdivisão de invernadas, que consiste no pastoreio rotativo com o uso de cercas convencionais ou eletrificadas. 

A adubação orgânica faz com que o pecuarista tenha um melhor custo-benefício a longo prazo, o que torna a atividade sustentável. Isso acontece porque há o fornecimento de nutrientes, bem como o fortalecimento das estruturas física e química do solo. 

Adote o campo nativo como um diferencial para a sua produção e conte com a Adubasul nesse processo!

Compartilhar
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Veja Também